Escrito por Redação  
Terça, 23 Maio 2017 08:13
Share/Save/Bookmark

A empresa estatal Mozambique Asset Management (MAM), que não pagou em Maio do ano passado a primeira prestação da dívida da dívida de 535 milhões de dólares que contraiu no Vnesh Torg Bank(VTB) da Rússia, vai falhar nesta terça-feira o pagamento da segunda prestação e continua a negociar uma solução com os investidores, disse à agência Lusa fonte oficial. O montante é parte das dívidas de mais de 2 biliões de dólares contraídas entre 2013 e 2014 violando a Constituição da República e leis orçamentais.

“A posição é a mesma” de há um ano, disse à Lusa o porta-voz do Ministério das Finanças, Rogério Nkomo.

“A Garantia do Estado não foi accionada”, porque continua a decorrer o “processo negocial” para se definir um novo plano de pagamentos, acrescentou.

A primeira prestação no valor de 178 milhões de dólares era devida a 23 de Maio de 2016 e não chegou a ser paga, reconhecendo o Governo a sua incapacidade para responder aos compromissos com os credores.

A MAM foi a terceira das estatais criadas pelo Governo de Armando Emílio Guebuza, depois da Proindicus e da Empresa Moçambicana de Atum(EMATUM), e que contraiu um empréstimo no valor de 540 milhões de dólares norte-americanos a 20 de Maio de 2014 (cerca de 2 meses após a sua escritura) junto do Vnesh Torg Bank(VTB) da Rússia com Garantia Soberana do Estado, assinada pelo então ministro das Finanças, sem a devida aprovação da Assembleia da República como estabelece a Constituição da República.

Constituída a 3 de Abril de 2014, no Cartório Notarial Privativo do Ministério das Finanças, como uma sociedade anónima, a Mozambique Asset Management não está a operar embora tenha sido registada para “a prestação de serviços multiformes na área petrolífera, mineira, portuária e ferro portuária, incluindo a exploração, representação, comercialização, agenciamento, importação e exportação”, refere o Boletim da República número 29, III série, de 10 de Abril. Além disso, tem também licença para construir um estaleiro naval em Pemba, outro em Maputo e um na Região Centro.

Os accionistas da MAM são a empresa GIPS (Gestão de Investimentos, Participações e Serviços, Limitada), uma entidade participada pelos Serviços Sociais do Serviço de Informação e Segurança do Estado (SISE), com 98% , a EMATUM - que também é participada pela GIPS em 33% -, tem 1% e a percentagem restante pertence a Proindicus – a empresa mãe de todas as dívidas ilegais.

Importa notar que embora a Garantia emitida inconstitucionalmente e ilegalmente pelo Governo de Armando Guebuza não tenha sido accionada a dívida da Mozambique Asset Management constitui formalmente dívida pública indirecta, aliás a mesma foi formalizada através da sua incorporação na Conta Geral do Estado de 2015 que recentemente foi aprovada pelos deputados do partido Frelimo na Assembleia da República.

Comentar


Código de segurança
Atualizar

 
Avaliação: / 0
FracoBom