Escrito por Emildo Sambo  
Sexta, 06 Julho 2018 08:44
Share/Save/Bookmark

Dezassete partidos políticos, quatro coligações de formações políticas e igual número de cidadãos eleitores proponentes já se inscreveram com vista à participação nas eleições autárquicas, a realizarem-se no dia 10 de Outubro próximo, disse, na quarta-feira (04), a Comissão Nacional de Eleições (CNE). Daqui para frente nenhuma actividade das que estão previstas na adenda ao calendário eleitoral prossegue sem a concretização das candidaturas ora suspensas.

O @Verdade verificou que das acções previstas no referido calendário, a inscrição dos partidos políticos, coligações de partidos políticos e grupos de cidadãos eleitores foi a última actividade realizada pela CNE.

O órgão disse que ainda está a verificar os processos de três grupos de cidadãos eleitores, cujas respectivas inscrições ocorreram nas províncias e foram encaminhados à sede daquela entidade, em Maputo. Esta trabalho é apenas a conclusão do processo de inscrição não muda absolutamente nada na suspensão já decretada.

É que com a suspensão de candidaturas a presidente ou a membro da assembleia municipal das 53 autarquias – que a partir deste processo passará a ser por via de listas plurinominal – tudo o que estava agendado para acontecer até 30 de Agosto próximo fica sem efeito.

A inscrição que temos vindo a fazer menção decorreu de 15 a 29 de Junho último e visava assegurar que os interessados possam, posteriormente, se candidatar.

Dos 17 partidos políticos, fazem parte os eternos rivais: a Frelimo e a Renamo, bem como o Partido Humanitário de Moçambique (PAHUMO), que surgiu em 2011 na cidade de Nampula.

Aliás, nas autárquicas de 2013, a CNE anulou o escrutínio porque o nome da candidata do PAHUMO, Filomena Mutoropa, a edil de Nampula não constava dos boletim de voto.

Inscreveram-se igualmente o Movimento Democrático de Moçambique (MDM), o Movimento Patriótico para a Democracia (MPD), o Partido de Justiça Democrática de Moçambique (PJDM), entre outras formações politicas.

No que diz respeito às coligações, manifestaram o desejo de concorrer nas autárquicas de 2018, entre outras, a Coligação União Eleitoral (EU), Coligação Esperança do Povo (E-POVO). Esta, desde a sua fundação tem estado a viver clivagens que forçaram a saída de alguns membros.

Relativamente aos grupos de Cidadãos Eleitores Proponentes, inscreveram-se a Associação Juntos Pela Cidade (JPC), a Solidariedade Cívica de Moçambique (SCM), entre outros.

Contudo, a CNE suspendeu a apresentação de candidaturas, que deviam ter lugar de 05 a 27 de Julho corrente. A interrupção deve-se à ausência de uma lei que operacionalize a Lei no. 1/2018, de 12 de Junho, concernente à Revisão Pontual da Constituição da República de Moçambique.

E alertou que, enquanto o braço-de-ferro entre a Frelimo e a Renamo prevalecer no Parlamento e uma nova legislação eleitoral não for aprovada, nada pode ser feito e os restantes actos eleitorais ficam igualmente comprometidos, disse Paulo Cuinica, porta-voz daquela instituição do Estado.

Comentários   

 
0 #1 jak 08-07-2018 07:01
Ку
Мы знаем как подобрать дополнительный доход, который за определенный период может быть основной. У Вас получится уже через семь дней выйти стабильно на 80 000р.
http://s43bg40u.mnogodenegproject.bizml.ru - заработок в интернете с выводом денег Подробности по ссылке.....
Citar
 
 
0 #2 Bogdanmvw 08-07-2018 17:16
удалите,пожалуй ста! .






Citar
 
 
0 #3 MelvinVak 10-07-2018 06:25
Go music 3$
Citar
 

Comentar


Código de segurança
Atualizar

 
Avaliação: / 0
FracoBom