Escrito por Emildo Sambo  
Segunda, 24 Setembro 2018 07:18
Share/Save/Bookmark

Hipocrisia ou não, Eneas Comiche, candidato da Frelimo ao cargo de presidente do Conselho Autárquico da Cidade de Maputo, nas eleições autárquicas de 10 de Outubro, considera que a exclusão dos cabeças-de-lista da Renamo e da Associação Juvenil para o Desenvolvimento de Moçambique (AJUDEM), Venâncio Mondlane e Samora Machel Júnior, respectivamente, lhe causam desconforto. Para ele, devia haver a possibilidade de os visados mostrarem os seus projectos de governação ao eleitorado.

Falando à imprensa, no domingo (25), no bairro de Chamanculo, em Maputo, no penúltimo dia da pré-campanha, Eneas Comiche afirmou que o ideal era que os candidatos afastados participassem da corrida eleitoral, uma vez que já estavam preparados para o efeito.

“Por alguma razão eles não vão participar mas penso” que encontrarão “alguma forma de passar a mensagem”, disse Comiche, salientando que não está “confortável com o afastamento” dos dois concorrentes.

O cabeça-de-lista da Frelimo disse ainda que o seu desassossego se deve ao facto de não saber que promessas Venâncio Mondlane e Samora Machel Júnior pretendiam fazer aos eleitores durante a “caça ao voto”.

Na semana finda, o filho do primeiro Presidente de Moçambique independente, Samora Machel, disse que ele e a sua agremiação iriam “acatar e respeitar a decisão [de exclusão]” imposta pela Comissão Nacional de Eleições (CNE) e pelo Conselho Constitucional (CC).

Na ocasião, ele acusou a Frelimo de ser o responsável pela desistência repentina de alguns membros da lista da AJUDEM, o que fez com que a associação não tivesse o número suficiente de suplentes para continuar na corrida eleitoral.

No sábado (22), Margarida Talapa, chefe da brigada central do partido no poder, na cidade de Maputo, declarou estava convicto de que Samora Machel Júnior iria “votar na Frelimo (...)”.

Volvidas 24 horas, Francisco Mabjaia, primeiro-secretário da Frelimo na capital do país, reforçou as declarações da sua correligionária, afirmando que o filho de Samora Machel ainda “é membro da Frelimo”.

A fonte disse ainda que acreditava que ele irá depositar o seu voto para o partido a que virou as costas.

Refira-se que Venâncio Mondlane foi colocado fora da corrida eleitoral porque renunciara ao mandato de membro da Assembleia Municipal de Maputo (AMM), na sequência de ter sido eleito deputado da Assembleia da República (AR), em 2015.

No recurso submetido ao CC, ele e o seu partido exigiram a declaração de inconstitucionalidade das leis que ditaram o afastamento, mas o CC rejeitou o pedido com o argumento de que eles não tinham tal direito, nos termos da Constituição da República.

Por sua vez, Samora Machel Júnior e a AJUDEM foram também excluídos porque a lista de candidatura não preenchia os requisitos legalmente exigidos à luz da Lei número 7/2018, de 3 de Agosto.

Comentar


Código de segurança
Atualizar

 
Avaliação: / 0
FracoBom