Escrito por Redação  
Quinta, 23 Janeiro 2020 21:17
Share/Save/Bookmark

Transparência InternacionalO nosso país ficou menos corrupto em 2019, de acordo com o ranking sobre a percepção da corrupção divulgado nesta quinta-feira (23) pela Transparência Internacional. Moçambique ascendeu a 146ª posição entre 180 países avaliados.

Os avanços da Procuradoria-Geral da República na investigação do maior escândalo de corrupção da nossa história, ainda que centrada no “peixe miúdo” das dívidas ilegais, terá contribuído para que ao fim de 4 anos de degradação um dos principais “cancros” da nossa sociedade comece a regredir.

O índice da Transparência Internacional usa uma escala de 0 (altamente corrupto) a 100 (muito íntegro). Após a posição 111, com 31 pontos, herdada da governação de Armando Guebuza, a descoberta das dívidas inconstitucionais da Proinducus, EMATUM e MAM afundaram Moçambique no ranking em 2016 para o lugar 142, caiu novamente em 2017 para a classificação 153 e em 2018, com apenas 23 pontos, posicionou-se no 161º lugar.

“O Índice de Percepção da Corrupção de 2019 mostra que a corrupção é mais presente em países onde é maior a influência do dinheiro nas campanhas eleitorais e onde os governos dão atenção apenas às vozes de indivíduos ricos e influentes”, indica a Transparência Internacional que assinalou ainda que 2/3 dos 180 países avaliados tiveram pontuação abaixo de 50 e que o índice médio alcançado foi de 43.

Transparência Internacional

A África Subsaariana, onde se localiza Moçambique, é a região mais corrupta do mundo, com uma pontuação média de 32 pontos, com a habitual excepção ao Botswana que manteve a posição 34 do ranking com 61 pontos.

Os países menos corruptos do mundo são Dinamarca, Nova Zelândia, Finlândia, Singapura e Suécia. Os cinco piores colocado no ranking são a Venezuela, o Iémen, a Síria, o Sudão do Sul e a Somália.

Comentar


Código de segurança
Atualizar

 
Avaliação: / 0
FracoBom