Escrito por Adérito Caldeira   
Quinta, 09 Agosto 2018 22:28

Grafismo de Nuno TeixeiraO Presidente Filipe Nyusi deixou a impressão, durante o último périplo pelas províncias, de ter sido surpreendido por relatórios que só apresentam “realizações”. Porém, tão grave como as bolsas de fome que lhe foram ocultadas, é facto do Chefe de Estado ter ignorado o Relatório do SETSAN que alerta para a existência “531,476 pessoas em 19 distritos foram classificadas em situação de crise (...) necessitando de intervenções urgentes para proteger seus meios de vida, reduzir o défice de alimentos e aumentar a sua resiliência aos eventos extremos”.

Actualizado em Sexta, 10 Agosto 2018 12:45
 
Escrito por Adérito Caldeira   
Quarta, 08 Agosto 2018 23:17

Grafismo de Nuno TeixeiraSó à segunda tentativa, baixando a sua expectiva e aumentando os juros, o Governo de Filipe Nyusi conseguiu colocar no mercado financeiro moçambicano as Obrigações do Tesouro 2018 - 5ª Série para financiar mais um mês do défice do Orçamento do Estado. O Ministério da Economia e Finanças não explica que impacto está a ter esta falta de dinheiro na tesouraria mas o facto é que em Julho, pela primeira vez há muitos anos, milhares de funcionários públicos não receberam os salários até ao dia 30.

Actualizado em Quinta, 09 Agosto 2018 08:04
 
Escrito por Adérito Caldeira   
Quarta, 08 Agosto 2018 00:06

As Linhas Aéreas de Moçambique (LAM) fecharam o exercício económico de 2017 degradando a situação de falência técnica em que se encontram há pelo menos 2 anos: apresenta capital próprio negativo de 3,6 biliões de meticais, resultante de perdas acumuladas de 9,1 biliões de meticais, e o passivo total ultrapassou os 16 biliões de meticais.

Actualizado em Quarta, 08 Agosto 2018 06:26
 
Escrito por Adérito Caldeira   
Segunda, 06 Agosto 2018 23:12

Foto de Adérito CaldeiraO Gabinete Central de Combate à Corrupção(GCCC) revelou que está “ainda a trabalhar com o Brasil no sentido de nos fornecer mais dados” sobre os subornos de 900 mil dólares norte-americanos que a construtora Odebrecht admitiu em 2016 ter pago a membros do Governo de Armando Guebuza para obter termos favoráveis no projeto de construção do Aeroporto de Nacala.

Actualizado em Terça, 07 Agosto 2018 10:39
 
Escrito por Adérito Caldeira   
Segunda, 06 Agosto 2018 08:14

Foto de Adérito CaldeiraUma equipa do corpo técnico do Fundo Monetário Internacional (FMI) que visitou o nosso país assinalou que “a economia Moçambicana está a recuperar gradualmente”, reviu em alta o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), “4 por cento em 2018”, todavia nenhum avanço aconteceu no esclarecimentos das dívidas ilegais das estatais Proindicus, EMATUM e MAM e por isso continuará suspenso o Programa financeiro do FMI, que é catalítico para Moçambique sair da crise económica e financeira em que está mergulhado desde Abril de 2016.

 
Início Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Seguinte Final

Pág. 8 de 87