Investidos 24 milhões MT na reabilitação do aeródromo da Mocímboa da Praia
Destaques - Economia
Escrito por www.fimdesemana.co.mz  
Quarta, 14 Fevereiro 2018 07:38
Share/Save/Bookmark

Foto de Fim de SemanaO Governo moçambicano não vai reduzir os pontos de entrada de aeronaves que fazem voos internacionais de e para o País, anunciou esta segunda-feira, 12 de Fevereiro, o ministro dos Transportes e Comunicações, Carlos Mesquita.

Falando na cerimónia da reabertura do Aeródromo de Mocímboa da Praia para o tráfego internacional não regular, Mesquita justificou a posição do Governo de manter os pontos de entrada aérea no País, pela necessidade de atender às demandas específicas de desenvolvimento, geradas nas diferentes regiões do País.

“A abertura de Mocímboa da Praia como mais um ponto de entrada é uma demonstração clara de que o Governo assume que o País ainda não está em condições de reduzir os pontos de entrada, dada a necessidade de atender as dinâmicas do desenvolvimento nos diversos pontos do País, por isso, reitero uma vez mais, que o Governo não vai reduzir os pontos de entrada no País”, disse Mesquita.

Esta posição põe termo ao debate que fluía sobre a necessidade da redução dos actuais nove pontos de entrada, nomeadamente os aeroportos de Maputo, Inhambane, Vilanculos, Beira, Tete, Lichinga, Nampula, Nacala e Pemba, para apenas três, designadamente Maputo, Beira e Nacala.

Falando, especificamente, sobre o impacto da reabertura de Mocimboa da Praia ao tráfego internacional, Mesquita sublinhou que esta decisão visa facilitar o acesso à região norte da província de Cabo Delgado, a partir do exterior, respondendo deste modo a crescente demanda deste serviço, impulsionado pelo desenvolvimento da indústria de hidrocarbonetos, que está a fluir na Bacia do Rovuma, bem como o turismo internacional.

Na componente da indústria de hidrocarbonetos, espera-se que Mocímboa da Praia passe a ser um nó logístico fundamental para o transporte aéreo dos equipamentos e prestação de serviços necessários para a construção e desenvolvimento das plataformas do Gás Natural Liquefeito (GNL) e seus derivados.

Na dinamização do Turismo, com a reabertura deste aeródromo espera-se dar resposta à preocupação dos operadores turísticos, que antes precisavam de ir a Pemba para cumprir com as formalidades oficiais de fronteira, passando a dispor de um serviço local e próximo, o que vai tornar os serviços mais competitivos e atractivos.

“Assim, exortamos a todos os intervenientes da cadeia produtiva desta região, sobretudo, os operadores aereoportuários e do ramo do turismo, agências de viagem e outros, para que se organizem para a exploração cabal do potencial gerado pelo tráfego aéreo internacional agora disponível em Mocímboa da Praia”, disse Carlos Mesquita.

Para o governador de Cabo Delgado, a reabertura do Aeródromo de Mocimboa da Praia ao tráfego internacional representa uma oportunidade ímpar para a dinamização do desenvolvimento de Mocímboa da Praia e do Norte de Cabo Delgado. Exortou igualmente ao Governo Distrital e às autoridades municipais locais para a conservação da infra-estrutura, evitando construções no perímetro do aeródromo, entre outras práticas que possam minar o bom funcionamento daquela infra-estrutura.

Para a reabertura ao tráfego internacional, o Aeródromo de Mocímboa da Praia beneficiou de melhorias significativas, através dum investimento de cerca de 24 milhões de Meticais que permitiram a ampliação do perímetro de vedação, melhoria do estado da pista de aterragem e respectivos caminhos de circulação, iluminação, sinalização, comunicações e outras intervenções que vão conferir melhor qualidade e segurança à aeronavigabilidade.

Em Cabo Delgado, o ministro dos Transportes e Comunicações inteirou-se do ritmo de implementação dos principais Projectos do sector na Província e visitou, igualmente, as obras de montagem do emissor local, no quadro do projecto de migração de radiodifusão analógica para digital.

Comentar


Código de segurança
Atualizar

 
Avaliação: / 0
FracoBom