Construtoras estrangeiras ficam com mais de metade dos biliões que serão investidos na Área 1 e 4
Destaques - Economia
Escrito por Adérito Caldeira  
Terça, 08 Outubro 2019 22:12
Share/Save/Bookmark

Foto da Presidência da RepúblicaDepois da Eni e da Anadarko terem entregue grande parte da construção das suas infra-estruturas de liquefação a empresas estrangeiras nesta terça-feira (08) a ExxonMobil também entregou as suas grandes obras a uma joint ventures de três construtoras que não são moçambicanas.

Com o Governo de Filipe Nyusi a adiar a Lei do Conteúdo Local, que poderia garantir às empresas de moçambicanos uma percentagem razoável nos negócios que já estão a ser feitos para a exploração do gás natural existente nas Áreas 1 e 4 da Bacia do Rovuma, as petrolíferas que lideram os Consórcios continuam a adjudicar as grandes obras a empresas estrangeiras.

Primeiro foi a petrolífera Eni a adjudicar a construção da fábrica flutuante de gás natural liquefeito (FLNG no acrónimo em língua inglesa) que irá extrair o gás existente no campo de Coral Sul, da Área 4, ao Consórcio formado pelas empresas Samsung Heavy Industries da Coreia do Sul, JGC do Japão e Technip FMC dos Estados Unidos da América e da França.

Depois a Anadarko adjudicou a construção das infra-estruturas para a liquefação do gás natural existentes na Área 1 às empresas Technip FMC e a Van Oord da Holanda.

Nesta terça-feira (08) a ExxonMobil entregou a construção das infra-estruturas que serão usada na extracção e liquefação dos 50 triliões de pés cúbicos de gás natural existentes no Campo Mamba ao Consórcio das empresas JGC, Technip FMC e a Flur dos Estados Unidos da América.

Em nenhum dos projectos foi revelado o montante dos contratos no entanto o @Verdade apurou, junto de especialistas do sector, que as infra-estruturas fundamentais para o processo de produção e liquefação do gás natural representam entre 60 a 80 por cento do investimento total de cada projecto.

As petrolíferas que lideram a exploração do gás natural em Moçambique tem prometido gastar entre 2 a 4 biliões de dólares norte-americanos com empresas moçambicanas, o que representa menos de 10 por cento de todo o investimento bilionário que está a ser feito em Cabo Delgado.

Relativamente a Lei do Conteúdo Local, em preparação desde 2007, vai continuar adiada pelo menos até um novo Governo entrar em funções e uma nova Assembleia da República iniciar a próxima Legislatura.

Por outro lado, enquanto o Executivo espera que sejam criados 19.500 postos de trabalho para moçambicanos durante os cinco anos de edificação do projecto da Área 1, o Governo do Estado Unidos da América prevê que só essa concessão criará 16.400 postos de trabalho para cidadãos do seu país.

Comentar


Código de segurança
Atualizar

Actualizado em Domingo, 13 Outubro 2019 22:12
 
Avaliação: / 0
FracoBom