Ministro Ragendra de Sousa questiona políticas de empreendedorismo em Moçambique
Destaques - Economia
Escrito por Adérito Caldeira  
Quarta, 04 Dezembro 2019 06:48
Share/Save/Bookmark

Foto de Adérito CaldeiraO ministro da Industria e Comércio, Ragendra de Sousa, questionou as políticas de créditos a fundo perdido que tem sido implementadas para estimular o empreendedorismo em Moçambique: “tivemos fundo do BPD, zero empresários, tivemos fundos FARE para cantinas rurais, zero cantinas, temos o Fundo de Desenvolvimento Distrital, zero empreendedor”.

Confrontado por jovens clamando falta de apoios para se tornarem empreendedores o ministro Ragendra de Sousa partilhou durante as 2ª Jornadas Científicas da Autoridade Tributária, onde foi o orador principal, o seu cepticismo sobre as políticas que tem sido implementadas para o incentivo ao empreendedorismo. “Tivemos fundo do BPD, zero empresários, tivemos fundos FARE para cantinas rurais, zero cantinas, temos o Fundo de Desenvolvimento Distrital, zero empreendedor”, recordou o titular da Industria e Comércio que é também professor doutor em economia.

Questionado pelo @Verdade se estaria sugerir que o fundo criado em 2006 que drenou mais de 6 biliões de meticais para os distritos fosse extinto Ragendra de Sousa disse “estamos a reduzir o financiamento, se queremos mantê-lo que se recolha o dinheiro que está na sociedade”.

“Quando se dá um crédito bancário esta se a emitir moeda na ordem de 2 por cento, por causa da obrigatoriedade de reservas no banco central, quanto mais crédito mais massa monetária, quando a massa monetária cresce pressiona a inflação. Então o que queremos inflação baixa ou alta?”, problematizou o ministro que revelou aos estudantes “eu para fazer doutoramento (nos Estados Unidos da América), para aumentar a minha renda trabalhava num supermercado descarregando mercadoria para prateleira”.

Comentar


Código de segurança
Atualizar

Actualizado em Quinta, 12 Dezembro 2019 08:21
 
Avaliação: / 2
FracoBom