Ucrânia fala de ameaça de invasão russa e impõe lei marcial
Destaques - Internacional
Escrito por Agências  
Terça, 27 Novembro 2018 08:04
Share/Save/Bookmark

A Ucrânia impôs nesta segunda-feira lei marcial por 30 dias em partes do país mais vulneráveis a um ataque russo, depois que o presidente Petro Poroshenko alertou sobre a ameaça “extremamente séria” de invasão terrestre.

Poroshenko afirmou que a lei marcial era necessária para reforçar as defesas ucranianas depois que a Rússia apreendeu três embarcações da Ucrânia e prendeu as respectivas tripulações no fim de semana.

O Parlamento aprovou a introdução da lei marcial depois que o presidente garantiu para parlamentares mais céticos que a medida não seria usada para cortar liberdades civis ou adiar as eleições marcadas para o ano que vem.

A medida acontece no final de um dia em que Ucrânia e Rússia trocaram acusações sobre o impasse de domingo e em que aliados de Kiev condenaram o comportamento de Moscovo.

Com relações entre os dois países ainda difíceis depois que a Rússia anexou a Crimeia da Ucrânia em 2014 e apoiou uma insurgência pró-Moscovo no leste ucraniano, a crise representa um risco de uma situação de conflito aberto.

“A Rússia trava uma guerra híbrida contra o nosso país pelo quinto ano. Mas com um ataque contra barcos militares ucranianos ela se moveu para um novo estágio de agressão”, declarou Poroshenko.

O presidente dos Estados Unidos da América, Donald Trump, disse que não gostava do que estava ocorrendo entre os dois países e que discutia a situação com líderes europeus.

Em conversa com Poroshenko pelo telefone, o secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, ofereceu o “apoio total para a soberania e a integridade territorial da Ucrânia”. O país não faz parte da aliança, mas ambiciona ser um membro.

A representante dos Estados Unidos nas Nações Unidas afirmou que as ações russas eram uma “violação ultrajante do território soberano ucraniano” e que sanções contra a Rússia permaneceriam.

A União Europeia, o Reino Unido, a França, a Polônia, a Dinamarca e o Canadá também condenaram o que chamaram de agressão russa. A chanceler alemã, Angela Merkel, enfatizou a necessidade do diálogo.

O impasse no mar de Azov é mais preocupante agora do que em qualquer momento dos últimos quatro anos, uma vez que a Ucrânia reconstruiu as suas Forças Armadas e tem uma nova geração de confiantes comandantes. O Ministério do Exterior russo responsabilizou Kiev pela crise.

“É óbvio que essa cuidadosamente planejada provocação teve como objetivo iniciar uma nova fonte de tensão na região para criar um pretexto para aumentar as sanções contra a Rússia”, disse em comunicado. Tal política, segundo o comunicado, tem “sérias consequências. Ele acrescenta que Kiev age em coordenação com os EUA e a União Europeia.

Em Kiev, Poroshenko disse ter informações da inteligência de que há uma “ameaça extremamente séria” de uma operação terrestre russa contra a Ucrânia.

“Eu tenho um documento da inteligência nas minhas mãos. Aqui em várias páginas há uma descrição detalhada de todas as forças do inimigo localizadas a uma distância de algumas dezenas de quilómetros da nossa fronteira. Prontas para uma imediata invasão da Ucrânia”, afirmou.

A lei marcial permite que a Ucrânia responda com agilidade a qualquer invasão e mobilize recursos rapidamente, disse ele.

Comentar


Código de segurança
Atualizar

 
Avaliação: / 0
FracoBom