Momad Bachir Suleman - Perfil de um benemérito “empresário de sucesso”
Destaques - Nacional
Escrito por Redação  
Quinta, 03 Junho 2010 08:56
Share/Save/Bookmark

Nascido a 28 de Abril de 1958 em Nampula, Momad Bachir Suleman (qual é, afinal a verdadeira grafia do seu nome!?) orgulha-se de ser “empresário de sucesso fruto do meu trabalho desde os nove anos de idade”.

Terá começado nessa tenra idade a sua actividade comercial numa banca, no mercado central em Nampula, evoluindo até emergir nos anos ´90 como um dos “reis das capulanas” e da venda de electrodomésticos e utensílios de instalação eléctrica.

Quando, na Avenida Karl Marx, em frente ao encerrado Cemitério São Francisco Xavier de Assis estabeleceu o seu quartel-general, começou a expandir o seu negócio, adquirindo lojas em quase todos os bairros e zonas da cidade, instalando as lojas da Kayum Electrónica, Armazéns Valy e, sobretudo, Zeinab Têxteis, ao mesmo tempo que “engolia” famílias-empresa até então poderosas como o Grupo Golam – que praticamente desapareceu.

A expansão do seu negócio foi sendo acompanhada por uma exposição mediática cada vez mais imponente, quando em jantares/leilões de angariação de fundos para campanhas de seu partido já pagou então um bilião de meticais da antiga família do metical (actualmente um milhão) para comprar a caneta do candidato Guebuza, uma vez, e depois o cachimbo do escolhido pela FRELIMO para suceder Joaquim Chissano – para cujas campanhas também havia sido benemérito.

Das duas vezes, após arrematar a caneta e o cachimbo acabava por generosamente oferecer de volta ao seu dono, sempre via esposa do candidato, Maria da Luz Guebuza. Segundo respondeu a uma pergunta de um dos cerca de 30 jornalistas que acorreram à sua conferência de imprensa, as suas astronómicas ofertas ao seu partido têm a ver com a “minha contribuição para a boa governação”.

A grande propensão para evidenciar a riqueza adquirida a custo e o seu poder conquistado a pulso propiciaram também casamentos badalados dos filhos, nos quais estes apareceram de helicóptero para o local da celebração das bodas. Generoso, o Sr. MBS chegou a criar o hábito oferecer, no final de cada ano, electrodomésticos como leitores de DVD a directores, editores e ou chefes de redacção dos media da praça, dentre outros brindes que doa a jornalistas com a mesma amabilidade com que contribui para campanhas do seu partido e proporciona principescas Festas de Natal para centenas de crianças no Guebuza Square, pátio-praça emblema do complexo comercial Maputo Shopping Centre.

Muçulmano, com o estatuto de presidente em órgãos da sua comunidade religiosa, ele pagou do seu bolso a reabilitação e modernização da Mesquita da Baixa, que de um aspecto tradicional e a cair de velho virou um cintilante edifício com brilho e revestimento de qualidade tão exuberante como dos templos emblemáticos nos países mais expressivos da Península Arábica.

A título curioso, no ano passado, a representação diplomática americana, numa demonstração de tolerância e convivência religiosa, esteve em peso na celebração de um dos meses sagrados da fé islâmica, precisamente comemorando o EID com a comunidade de que é dirigente Momad Bachir Suleman.

O que escandalizou mais, na demonstração do seu sucesso empresarial, foi o facto de pelo menos 25 milhões de dólares (especula-se que mais de dois terços do custo total da obra) terem saído de fundos próprios para erguer a chamada “pérola de Maputo”: o Maputo Shopping Centre.

Comentários   

 
0 #71 Musslim 01-09-2010 20:02
nao te preocupes quem bate palmas por ultimo sao os que tem dineiro...a USA brinca se sim...procure mais informacoes sobre isso depois fale...seja cabeca,fale coisas com sentido
Citar
 

Comentar


Código de segurança
Atualizar

 
Avaliação: / 9
FracoBom