Nyusi em Portugal para dinamizar comércio mas terá de lidar com o desaparecimento de Sebastião
Destaques - Nacional
Escrito por Adérito Caldeira  
Segunda, 01 Julho 2019 22:49
Share/Save/Bookmark

O Presidente Filipe Nyusi inicia nesta terça-feira (02) a sua 2ª visita oficial à Portugal para dinamizar as trocas comerciais que nunca foram muito significativas, as exportações de Moçambique em 2018 para o antigo colonizador foram de apenas 41 milhões milhões de Dólares enquanto as importações cifraram-se em 209 milhões de Dólares norte-americanos. Mas o desaparecimento do cidadão português Américo Sebastião poderá ensombrar a visita que deveria ser de dois dias mas estende-se até a próxima segunda-feira (08).

“Nós temos excelentes relações com Portugal mas nós queríamos agora dinamizar a parte da diplomacia económica, sobretudo com o sector privado moçambicano e português” disse à jornalistas a vice-Ministra dos Negócios Estrangeiros e Cooperação, Maria Manuela dos Santos Lucas, após despedir-se do Chefe de Estado.

Apesar dos laços históricos que unem os dois países, das relações políticas que se tem estreitado nas últimas décadas e da significativa presença portuguesa no sector financeiro, construção civil e restauração as trocas comerciais não tem sido significativas e nem mesmo a Cimeira Bilateral criada para parcerias estratégicas, cuja IV edição vai acontecer esta semana, parece dar resultados.

O @Verdade apurou na Balança de Pagamentos do Banco de Moçambique e nos dados do Comércio Externo compilados pelo Instituto Nacional de Estatística que dos 5,1 biliões de Dólares em exportações de Moçambique em 2018 apenas 41 milhões tiveram como destino o antigo colonizador que comprou muito camarões e outros crustáceos, açúcar e tabaco não manufacturado.

No sentido contrário o nosso país importou apenas 209 milhões dos 6,1 biliões de Dólares que gastos no ano passado principalmente em cimento, medicamentos e livros.

Mas a falta de resultados em torno do desaparecimento em 2016 do empresário português Américo Sebastião e principalmente a falta de vontade das autoridades moçambicanas em receber ajuda das forças policiais lusas poderá ensombrar a visita que a Assembleia da República aprovou para os dias 2 e 3 mas Filipe Nyusi decidiu alarga-la até ao dia 8 de Julho.

De acordo com a Deliberação 19/2019 de 28 de Maio a Comissão Permanente da Assembleia da República decidiu "Autorizar Sua Excelência o Presidente da República a efectuar visita de Estado à República Portuguesa, de 2 a 3 de Julho de 2019".

Portanto os restantes cinco dias que Filipe Nyusi e comitiva vão permanecer no país europeu não deveriam ser pagos com dinheiro do povo, contudo o Chefe de Estado usa abusivamente as suas deslocações oficiais para outras finalidades como por exemplo reunir com os membros do seu partido e até mesmo para acções de campanha eleitoral.

Comentar


Código de segurança
Atualizar

 
Avaliação: / 0
FracoBom