Ensino secundário vai continuar com mais de cem alunos por turma em Moçambique
CAMPUS - Soltas
Escrito por Adérito Caldeira  
Terça, 14 Janeiro 2020 21:53
Share/Save/Bookmark

Foto de Adérito CaldeiraEmbora o Ministério da Educação e Desenvolvimento Humano pretenda contratar para o Ano Lectivo de 2020 pelo menos 1.299 novos professores as salas do ensino secundário continuarão lotadas havendo turmas com mais de cem estudantes nas províncias da Zambézia e Nampula. “A nossa expectiva é que as turmas sejam de 50 alunos, mas isto é impossível em determinadas regiões” explicou ao @Verdade o director do Instituto Nacional de Desenvolvimento da Educação.

O Ministério da Educação e Desenvolvimento Humano (MINEDH) anunciou na semana passada que mesmo sem o Orçamento de Estado estar aprovado espera contratar este ano 1.299 novos professores para o ensino secundário, quase dez vezes mais do que em 2019.

Paralelamente 40 novas escolas secundárias entraram em funcionamento elevando para 667 as infra-estruturas que em todo o país vão acolher 1.326.713 alunos.

Questionado pelo @Verdade o director do Instituto Nacional de Desenvolvimento da Educação, Ismael Nheze, esclareceu no passado dia 8, em conferencia de imprensa, a expectiva “é que as turmas sejam de 50 alunos, mas isto é impossível em determinadas regiões, chamo atenção para as províncias de Nampula e de Quelimane, porque têm um desafio de superpopulação”.

O @Verdade apurou que nestas províncias as turmas do ensino secundário albergam entre 120 a 170 alunos e só não são mais porque o MINEDH limita as matrículas.

Todos os anos pelo menos meio milhão de estudantes que concluem o ensino primário não prosseguem os estudos por falta de vagas.

Ismael Nheze afirmou que “o ensino à distância é a nossa tábua de salvação, porque os números crescimentos da rede escolar são enormes, nós em 2023 vamos ter mais de um milhão de alunos a entrarem para a 7ª classe e não vamos capacidade de infra-estruturas nem humana de colocar tantos alunos. A única saída que nós temos é trazer a realidade do ensino à distância para que não haja crianças que fiquem sem estudar”.

No entanto as Estatísticas da Educação mostram fraca afluência ao “Programa de Ensino Secundário à Distância” que em 2019 teve matriculados apenas 30.603 alunos em todo o país, uma redução comparativamente aos 31.968 estudantes de 2017.

O director do Instituto Nacional de Desenvolvimento da Educação esclareceu também que a revisão curricular do ensino secundário só deverá iniciar em 2023 “e vai ser ainda discutido se vamos introduzir nos dois ciclos em simultâneo, para ser mais rápido”.

Comentar


Código de segurança
Atualizar

 
Avaliação: / 0
FracoBom