Malfeitores destroem túmulos e apoderam-se de ossadas humanas em Mandimba
Destaques - Newsflash
Escrito por Redação  
Segunda, 05 Fevereiro 2018 21:20
Share/Save/Bookmark

Pessoas ainda não identificadas invadiram um cemitério, exumaram cadáveres e apoderaram-se de ossadas humanas, no distrito de Mandimba, província do Niassa, onde não é a primeira vez que casos desta natureza ocorrem.

A profanação aconteceu no cemitério do bairro Camoto, a 20 de Janeiro passado. Ao @Verdade, a Polícia da República de Moçambique (PRM) disse que pelo menos um cidadão foi detido e está-se no encalço de outros membros do grupo que supostamente tem estado a destruir campas.

Os autores deste acto apoderaram-se de ossadas de algumas partes do corpo e deixaram a coluna vertebral e o crânio.

Em Mandimba não é a primeira vez que ocorrem casos de violação de túmulos e tráfico de ossadas humanas. Até os albinos já foram alvos deste mal que tem semeado temor e repulsa nas comunidades.

Em Moçambique, este tipo de situação consubstancia um ilícito criminal de violação de túmulo, ou seja, à luz do artigo 263 do Código Penal (CP) chama-se desrespeito aos mortos.

Ademais, o acto é entendido como crime de posse de órgãos humanos, previsto e punido pelo artigo 161 do mesmo Código, dependendo de cada caso.

Recorde-se que, a 22 de Janeiro passado, em Tete, a PRM deteve um cidadão de nome Rui Foia, de 36 anos de idade, acusado de profanação de túmulos, tráfico de ossadas humanas e canibalismo.

O visado, surpreendido com partes do corpo humano numa panela e servidas a um dos familiares que denunciou o acto às autoridades, escapou do linchamento que seria protagonizado pela população.

O episódio foi antecedido por exumações e roubo de cadáveres, sobretudo de crianças com menos de cinco ano de idade, no cemitério tradicional de Chimadzi, no bairro Mateus Sansão Muthemba, arredores da cidade de Tete.

Comentar


Código de segurança
Atualizar

 
Avaliação: / 0
FracoBom