Opinião - OBITUÁRIO
Share/Save/Bookmark

Conheci o Alvarito de Carvalho na redacção do semanário Savana, onde trabalhámos juntos, entre 2001 a 2005, se não me falha a memória.

Nesse período, vi o desabrochar das suas virtudes de um incansável repórter. Voltaria a cruzar-me com ele no Zambeze, para onde ele migrara, há cerca de uma década. Um facto marcante: No dia 01 de Maio de 2008 fui co-autor de uma matéria que fez manchete neste semanário, com os colegas Fernando Veloso e Alvarito Carvalho, em que questionávamos uma bizarrice de um "erro da constituição de 1975" feita pela omnipotente Frelimo e, a figura no centro do furacão era nada mais, nada menos que Luísa Diogo, então primeira-ministra.

No dia seguinte, portanto, 02 de Maio, uma sexta-feira, uns solícitos funcionários da Procuradoria-Geral da República (PGR) da Cidade de Maputo chegavam à sede do Zambeze com as notificações para que na segunda-feira, dia 05, estivéssemos lá SEM FALTA.

No fim-de-semana que antecedeu a nossa audiência, a Comissão Política (CP) do partido dos "camaradas" estivera reunida e disso o jornal "Domingo" dera conta. O tema de capa que deu azo para que fôssemos intimados tinha sido motivo de discussão e, lá se reafirmou “o apoio da CP à camarada primeira-ministra”.

Na PGR fomos tomar conhecimento de que éramos acusados pelo ministério público de "ATENTADO CONTRA A SEGURANÇA DO ESTADO "!!! Em Agosto desse ano fomos julgados. O tribunal que nos julgou sentenciou uma pena de seis meses de prisão convertidos em multa.

Caiu, entretanto, por terra a acusação de atentado à segurança do Estado e o pedido de indemnização do Ministério Público. O julgamento foi realizado à porta fechada mas a leitura da sentença foi pública, muito embora não tenha sequer sido permitido aos jornalistas presentes tomarem notas enquanto este decorria.

Durante essa travessia, vi um Alvarito não abalado com o processo, pois tinha a forte crença de que estamos a prestar um serviço público, de valor noticioso. Alvarito de Carvalho deixa um legado de busca incessante da verdade, típico dos repórteres de mão cheia que incomodou poderes tentaculares.

Comentar


Código de segurança
Atualizar

 
Avaliação: / 0
FracoBom