Editorial
Escrito por Redação  
Quinta, 06 Dezembro 2012 17:48
Share/Save/Bookmark

Nunca uma organização juvenil foi tão atacada, tão vilipendiada e, ao mesmo tempo, tão invejada como o Parlamento Juvenil (PJ). Isso é obra. Sociólogos, políticos da posição e o seus simpatizantes lutam afincadamente para reduzir a importância do PJ na esfera pública. Dizem, para justificarem a sua visão distorcida e distanciada da realidade, que o PJ não justifica as contas e que vive da fabricação e ampliação dos problemas do país para vender ao Ocidente. Ignoram, propositadamente, que o PJ passou com distinção em várias auditorias. Ignoram que justifica até ao último centavo todo o dinheiro que recebe dos doadores e parceiros. Isso tudo é esquecido. Aliás, distorcido, desfocado e adulterado para transformar o PJ numa cópia perfeita do Governo que lidera este país.

O PJ nunca escreveu cartas para os dirigentes de topo de empresas públicas e privadas extorquindo dinheiro através de ordens revestidas de “pedidos”. O PJ não vendeu autocarros ao Estado para enriquecer certa família. O PJ não anda de helicópteros e nem de carros topo de gama indiferente aos problemas dos cidadãos deste país. Muito pelo contrário. O PJ anda pelo país. Discute os problemas dos jovens no distrito e coloca o poder em sentido. O PJ, através do seu trabalho, mostra aos jovens que é preciso questionar e lutar pelos seus direitos. O PJ tira o sono aos donos do país.

O PJ vai organizar uma conferência africana sobre boa governação. Algo inédito no país. O PJ distingue-se das outras organizações juvenis por essa sua faceta rebelde e inquieta. Por essa sua vontade férrea de colocar o jovem no centro do debate político. O PJ distingue-se, mais uma vez, dos outros pelo facto de questionar e tomar posicionamentos públicos sobre a crise de transportes e todos comportamentos desviantes das pessoas que dirigem o país.

Não é fácil estar nessa posição, sobretudo quando a mesma é incómoda e toca nas feridas. Não é fácil ser um alvo a abater e ser jovem num país onde as lideranças adoram caixas de ressonância e uma juventude alienada e amorfa. Não é fácil pretender libertar as mentes num país onde as pessoas que libertaram a terra pensam que ela, a terra, é propriedade privada de uma gangue.

Ainda que o caminho não seja fácil, os resultados são saborosos. O PJ pode não se sentar na mesma mesa com o poder e ser apartado do seu convívio. Isso é, diga-se, um mal menor para quem se banqueteia no abraço sincero daqueles que defendem a causa dos oprimidos. O PJ, ainda que implicitamente, compreendeu algo que o Conselho Nacional da Juventude e a OJM, que, como organizações juvenis, não percebem: o abraço do diabo nunca é sincero, nunca significou amor e muito menos apreço. O abraço do poder e as palmadinhas nas costas daqueles que repetem, quais discos riscados, “somos a geração da viragem” nada mais é do que a tentativa de estender eternamente o poder, adormecendo uma juventude que se deixou enlear pelo canto do inimigo.

Felizmente nem tudo está perdido e temos uma outra parte da juventude que não se deixa enganar. Que prefere chapadas ásperas ao embalo para dormir de quem nunca quis uma juventude inconformada...

Comentar


Código de segurança
Atualizar

 
Avaliação: / 9
FracoBom