Editorial
Escrito por Redação  
Sexta, 23 Fevereiro 2018 07:13
Share/Save/Bookmark

Hoje parece que ninguém tem dúvidas que, quando os dirigentes são irresponsáveis, o povo é que paga. E paga muito caro. O exemplo disso é a triste situação que se verificou na lixeira de Hulene, arredores da cidade de Maputo, onde pelo menos 16 pessoas morreram e outras cinco ficaram feridas em consequência do desmoronamento de uma montanha de resíduos acumulados durante décadas. O lixo acumulado – já na altura de um edifício de pelo menos três andares - desabou sobre algumas casas erguidas paredes-meias da referida montanha, quando os proprietários se encontravam a dormir. Quase todos os moradores foram apanhados de surpresa.

É importante que se diga, em abono da verdade, que o desastre dessa natureza era previsível, pois a lixeira já representava um autêntico atendado, não só à saúde pública, para as populações circunvizinhas. Este é um problema de conhecimento da edilidade que gere aquele espaço onde diariamente se depositam toneladas de lixo proveniente de quase todas as partes da capital do país. Porém, o Conselho Municipal da Cidade de Maputo limitava-se a ignorar o perigo que a lixeira representa(va).

Importa lembrar de que, aquando do lançamento do Programa de Desenvolvimento Municipal de Maputo (PROMAPUTO II), para período 2011-2015, por exemplo, o encerramento da lixeira de Hulene, até 2014, era uma das bandeiras de David Simango e os seus títeres. A lixeira é, na verdade, um dos maiores pesadelos do Município de Maputo que remonta há sensivelmente 10 anos, mas nunca passou da ideia e do papel à prática.

O mais caricato é que o risco de mais um desastre, desta vez de proporções avassaladoras, permanece, mas a edilidade continua a encarar a situação de ânimo leve, defendendo que, neste momento, as atenções devem estar viradas para o socorro das vítimas, em vez de fazermos o debate da lixeira”, que poderá ser “feito em altura própria”. Mais uma vez o Município de Maputo adia a solução para este espaço onde muitas famílias pobres do bairro de Hulene e da periferia buscam meios de sustento.

Tudo indica que o Conselho Municipal de Maputo está à espera de outra situação idêntica para tomar medidas, sobretudo a transferência da lixeira. Portanto, o desastre que sucedeu na lixeira de Hulene era evitável, se a edilidade fosse competente e comprometida com a causa dos munícipes.

Comentar


Código de segurança
Atualizar

 
Avaliação: / 1
FracoBom