Editorial



Escrito por Redação   
Sexta, 28 Julho 2017 08:34

A falta de seriedade do Governo de Moçambique é, sem dúvidas, bastante preocupante e coloca a dignidade dos moçambicanos bastante debilitada ao nível do mundo. Recentemente, o Governo anunciou que vai dar um calote, ou seja, não vai pagar a segunda prestação de juros dos Títulos da Dívida Pública, denominados “Mozambique 2023 Eurobonds”, prefazendo, assim, o quinto calote dado pelo Executivo de Filipe Nyusi, que, por cumplicidade, decidiu assumir como dívida dos moçambicanos as dívidas inconstitucionais e ilegais contraídas por obscuras empresas públicas, nomeadamente Proindicus, EMATUM e MAM.

Recorde-se que este último calote é dado depois da Mozambique Asset Management (MAM) ter falhado as duas primeiras prestações do seu empréstimo, e da Proindicus também não ter honrado amortização do seu empréstimo, e do Governo ter dado um calote de 59.756.599 dólares norte-americanos a 18 de Janeiro aos detentores dos “Mozambique 2023 Eurobonds”.

 
Escrito por Redação   
Sexta, 21 Julho 2017 08:17

O Presidente da República, Filipe Nyusi, prossegue com as suas visitas improdutivas que efectua às instituições públicas e/ou do Estado, na tentativa de aldrabar incautos, que ele se considera o seu empregado, e renovar, provavelmente, o seu mandato, e tem estado a mostrar a sua suposta indignação para os jornalistas verem e reportarem.

Actualizado em Sábado, 22 Julho 2017 12:08
 
Escrito por Redação   
Sexta, 14 Julho 2017 08:43

O que se está a passar no Instituto Nacional de Segurança Social (INSS), nos últimos tempos, especificamente no que diz respeito aos supostos investimentos que a instituição tem vindo a fazer no âmbito da sua não clara Política e Estratégia de Investimentos (PEI), é bem uma eloquente amostra do saque ao dinheiro dos trabalhadores moçambicanos.

Os gestores do INSS têm vindo a provar que não sabe fazer mais nada, se não roubar e destruir o dinheiro do pacato trabalhador que é descontado todo os santos meses. Nos últimos 42 anos de independência, temos estado a assistir a uma gestão danosa das contribuições do trabalhador moçambicano. Na verdade, os gestores do INSS transformaram aquela instituição numa verdadeira capoeira pública no qual qualquer indivíduo ligado ao partido no poder inventa um negócio para encaixar fraudulentamente o dinheiro do trabalhador moçambicano.

 
Escrito por Redação   
Sexta, 07 Julho 2017 08:03

Pode parecer caricato e, simultaneamente, enfadonho o facto de repisarmos num aspecto que se tornou assunto do dia em todo território nacional, quiçá no mundo afora. Mas é a realidade que hoje vivemos e ela imponentemente se nos impõe de forma cruel e sádica. Diga-se sem ameias ideológicas que, presentemente, os moçambicanos vivem num país estruturalmente degradado e deliberadamente destruído por um punhado de indivíduos que continua a caminhar livre, alegre e impunemente por este país. Referimo-nos às dívidas contraídas ilegalmente e que os moçambicanos são hoje forçados a pagar.

Actualizado em Sábado, 08 Julho 2017 09:22
 
Escrito por Redação   
Sexta, 30 Junho 2017 08:20

Como moçambicanos, depois de termos recebido e lido o tão esperado sumário executivo da Auditoria realizada pela Kroll às contas das empresas estatais criadas hábil e especificamente para roubar o povo, uma conclusão se chega: a cumplicidade da Procuradoria-Geral da República nos casos de corrupção no país não tem limites. Assim como não tem limites o Governo da Frelimo, que há 42 anos de independência do jugo colonial tem estado a roubar os moçambicanos.

O nível de promiscuidade em que a nossa Procuradoria chegou é caso para exclamar: que país é este no qual nem as instituições do Estado que deveriam garantir que as leis sejam cumpridas são capazes de agir! Que país é este em que os órgãos de justiça optam por fazer de conta que nada está acontecer! Quando era de esperar que, depois do relatório mencionar os nomes do sujeitos que empurraram o país para o abismo, a Procuradoria- Geral da República agisse imediatamente, eis que, em vez disso, continua de olhos cerrados e ouvidos moucos. Até custa crer, mas a realidade se nos impõe.

 
Escrito por Redação   
Sexta, 23 Junho 2017 07:56

O que se está a passar em Moçambique é sem dúvidas uma amostra grátis da falta de respeito, sensibilidade e compaixão para com o sacrificado povo moçambicano. Desde que, há anos, o Governo da Frelimo pendurou-se no poder tem vindo alegre e sistematicamente a empurrar os moçambicanos para o vale da desgraça. Estes são obrigados a sobreviver à essa violência e didatura absoluta. E o mais dramático é que a população é forçada a ouvir zombar mascarada de aconselhamento através dos órgãos de informação.

Actualizado em Domingo, 25 Junho 2017 09:48
 
Escrito por Redação   
Sexta, 16 Junho 2017 10:00

Subitamente, o Presidente da República, Filipe Nyusi, sentiu uma ligeira comichão num dos seus órgãos sensoriais, neste caso a língua, e decidiu soltar uma das suas primeiras frases feitas para entreter o povo: Moçambique está de volta. O Chefe de Estado começou por dizer esta expressão aquando da realização do Fórum das Infra-estrutura em Tete. Recentemente, Nyusi, que se encontra de visita aos Estados Unidos da América, durante a sua intervenção na sessão de abertura da 11ª Cimeira de Negócios Estados Unidos da América e África, voltou a dizer que Moçambique está de volta.

 
Início Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Seguinte Final

Pág. 4 de 24