Xiconhoca
Escrito por Redação  
Sexta, 23 Março 2018 07:23
Share/Save/Bookmark

Os nossos leitores elegeram as seguintes Xiconhoquices na semana finda:

Violações e crimes violentos

É deveras preocupante o recrudescimento da criminalidade tanto na zona urbana como suburbana. Quase todos os dias são registados violações e crimes violentos um pouco por todo o país. Uma das situações está relacionada com a jovem de 17 anos de idade que foi agredida fisicamente, forçada a ter relações sexuais com os seus ofensores e de seguida assassinada, no bairro de Ndlavela, município da Matola. Os malfeitores ainda não foram identificados e os moradores contaram que é a segunda vez que uma mulher é estuprada e morta em menos de um mês. No entanto, o que mais intriga é o silêncio e a apatia das autoridades policiais diante dessa onda de criminalidade que assola o país.

Fugas da cadeia

Subitamente as cadeias moçambicanas tornaram-se vulneráveis e quase todos os dias chegam notícias segundo a qual alguns reclusos fugiram. O exemplo mais recente é de três reclusos que cumpriam penas não especificadas. Os indivíduos testaram a segurança das celas da Cadeia de Máxima Segurança, vulgo B.O, anexas ao Comando da Polícia da República de Moçambique (PRM) na Cidade de Maputo, e fugiram. O mais caricato é o facto de não ser a primeira vez que prisioneiros fogem das celas daquelas instalações que têm estado permanentemente vigiadas, para além de o acesso e a saída de gente ser controlado. Na verdade, tudo indica que há indivíduos ligados às cadeias que têm estado a facilitar a fuga dos prisioneiros.

Aumento dos combustíveis

Já começa a ser revoltante os aumentos sucessivos do preço de combustíveis no mercado nacional. Desde a última quarta- feira (21), o preço de gasolina aumentou de 62.06 meticais o litro para 65.01 meticais a mesma quantidade, o de gasóleo dispara de 56.43 para 61.16 meticais/litro e o de petróleo de iluminação sobe de 46.98 para 50.45 meticais/litro. Esta situação que já vem agravar ainda mais o custo de vida que tem estado a sufocar os moçambicanos é sem dúvidas resultado de politicas terroristas e inconsequentes do Governo da Frelimo. Não se justifica que os preços de combustíveis estejam sempre a subir, enquanto que o preço do baril no mercado internacional mantém-se. É caso para dizer que os moçambicanos estão a ser obrigados a pagar as dívidas contraídas ilegalmente pelo Governo da Frelimo.

Comentar


Código de segurança
Atualizar

Actualizado em Sábado, 24 Março 2018 07:55
 
Avaliação: / 2
FracoBom