Ministério da Saúde diz que acidentes de viação mataram 36 pessoas nas festividades
Vida e Lazer - Saúde e bem Estar
Escrito por Emildo Sambo  
Sexta, 05 Janeiro 2018 07:53
Share/Save/Bookmark

Trinta e seis pessoas morreram devido à sinistralidade rodoviária, entre as festividades do Natal e do ano novo, em Moçambique, informou o Ministério da Saúde (MISAU), na quarta-feira (03). O número eleva-se para 46 óbitos (contra 42 registados nas festividades de 2016/2017), incluindo os 10 indivíduos que pereceram vítimas de agressão física e outros acidentes.

No seu “balanço da quadra festiva” – correspondente ao período de 20 de Dezembro último a 01 de Janeiro em curso – o MISAU indica que atendeu 2.100 vítimas de acidentes, dos quais 302 foram internados devido à gravidade das lesões contraídas.

Em igual período de 2016/2017, foram atendidos 2.292 doentes. Destes, 436 permaneceram nas unidades sanitárias porque o seu estado clínico requeria cuidados aturados.

Confrontando os dois períodos em comparação (2016/2017 e 2017/2018), o número de óbitos por conta da sinistralidade rodoviária aumentou de 28 para 36 casos.

Todavia, os dados provisórios do Comando-Geral da Polícia da República de Moçambique (PRM), divulgados terça-feira (02), indicam que ao menos 24 cidadãos perderam a vida e outros 40 ficaram feridas, 22 das quais com gravidade, devido a 28 acidentes de viação ocorridos no país, entre o Natal e a transição do ano.

Inácio Dina, porta-voz daquela instituição cuja função é garantir a segurança e a ordem públicas e combater infracções à lei, disse que dos óbitos a que se referiu, nove foram registados nas festividades de transição do ano.

Sobre a discrepância nos números, Ussene Isse, director nacional de assistência médica no MISAU, frisou que os dados são diferentes com os da corporação porque esta entidade faz o registo de óbitos, por exemplo, no local de acidentes de aviação, enquanto a saúde abrange igualmente aquelas pessoas que, infelizmente, morrem nos hospitais.

De acordo com ele, “os acidentes de aviação constituíram e continuam sendo a maior e a principal causa de óbitos” no país. “Ocupa 85% de todos os casos trauma em 2017/2018 e 64% em 2016/2017”.

No período em análise, o Hospital Central de Nampula (HCN) foi o que atendeu mais vítimas de sinistralidade rodoviária, com 11 casos, seguido do Hospital Provincial de Pemba (HPP), com cinco vítimas, por exemplo.

Comentar


Código de segurança
Atualizar

Actualizado em Quinta, 15 Março 2018 11:06
 
Avaliação: / 0
FracoBom