Investigador do IESE diz construir escolas sem equipamento desprestigia a educação
CAMPUS - Soltas
Escrito por Coutinho Macanandze  
Sexta, 03 Outubro 2014 18:17
Share/Save/Bookmark

O pesquisador do Instituto de Estudos Económicos e Sociais (IESE), Alexandrino Forquilha, defende que erguer escolas e hospitais sem apetrechá-los com equipamento adequado e necessário para os seus utentes não resolve os problemas com que estes sectores se debatem actualmente relativamente à oferta de serviços.

Na educação, por exemplo, será difícil formar “pensadores” sem sítios apropriados para a obtenção do conhecimento prático. As políticas centradas na construção e expansão de infra-estruturas escolares, hospitalares e outras consideradas úteis ou necessárias para melhoria se serviços da Função Pública vão continuar a fracassar e nunca serão capazes de dar uma resposta cabal a problemas que inquietam os moçambicanos. É preciso que se aposte na criação de condições materiais e humanas, realçou Forquilha.

Na sua óptica, o desenvolvimento de um país implica a produção de seres humanos que pensam e não reprodutores de conhecimentos teóricos, ou seja, as escolas não podem continuar a formar gente sem campo para adoptar a prática, principalmente para o sector da educação, onde há demanda de laboratórios para aperfeiçoar o conhecimento da população estudantil.

Segundo Forquilha, uma educação improvisada não produz soluções para erradicar os males que afectam grande parte da população moçambicana. Pelo contrário, gera desigualdades, fraca capacidade intelectual e ideológica e lacunas de gestão da coisa pública.

“O país não precisa de escolas desequipadas, mas, sim, de uma educação com qualidade, competente, humana e capaz de se constituir como alternativa para suprir as lacunas que são notórias na estrutura governamental moçambicana”, concluiu Forquilha.

Comentar


Código de segurança
Atualizar

Actualizado em Sábado, 04 Outubro 2014 17:48
 
Avaliação: / 0
FracoBom