Fusão das TDM e Mcel junta dívidas com bancos de 9,3 biliões, 7,6 biliões com fornecedores e passivo de 23 biliões de meticais
Tema de Fundo - Tema de Fundo
Escrito por Adérito Caldeira  
Quinta, 15 Março 2018 07:26
Share/Save/Bookmark

O culminar da fusão das Telecomunicações de Moçambique (TDM) e da Moçambique Celular (Mcel) continua previsto para acontecer até Dezembro próximo. O @Verdade sabe que existe já uma denominação para a nova empresa, que precisa de investimentos para entrar no mundo digital e poder voltar a “guerra” com as outras duas operadoras móveis, que não deverá herdar as dívidas com bancos de 9,3 biliões de meticais, 7,6 biliões de pagamentos atrasados a fornecedores e um passivo superior a 23 biliões de meticais.

As análises que o @Verdade está a efectuar às contas das empresas de telecomunicações estatais desde 2012 revelam que a 31 de Dezembro de 2016 ambas acumulavam um passivo 23 biliões de meticais, 10,5 biliões nas TDM e mais 12,5 biliões na Mcel.

Estes números só impressionam porque não eram do conhecido público, até o @Verdade os relevar, todavia são o resultado de cinco anos em que os gestores das empresas efectuaram tudo o que de errado existe em gestão com evidente complacência do único accionista: o Estado, representado pelos sucessivos Governos do partido Frelimo.

No exercício financeiro de 2016 o prejuízo conjunto ascendeu a 6 biliões de meticais, 1,6 bilião nas Telecomunicações de Moçambique e 4,4 biliões Moçambique Celular, o triplo do exercício de 2015.

Os Relatórios e Contas analisados pelo @Verdade mostram que houve pouco investimento nas duas empresas, que não acompanharam o rápido desenvolvimento das telecomunicações em Moçambique e no mundo, e os gestores optaram, mal, por financiarem o funcionamento com dívida de curto prazo na banca.

Essa dívida corrente quase duplicou de 3,6 biliões em 2015 para 5 biliões em 2016. Somada à dívida de longo prazo com instituições financeiras nacionais e estrangeiras as TDM e Mcel acumularam uma dívida total de 9.338.183.355 meticais.

Passivos tóxicos não deverão transitar para a nova empresa de telecomunicação móvel digital

Outra má decisão dos gestores das Telecomunicações de Moçambique - que tinha como Presidente do Conselho de Administração Virgílio Ferrão, Mamudo Ibraimo como Presidente da Comissão Executiva e os Administrador Alberto Gomes, Armando Mandomando, Momade Charifo, Aida Libombo, Lourenço Albino, Abílio Sigaúque e Rafael Rohomodja -, e da Moçambique Celular – onde Teodato Hunguana era o Presidente do Conselho de Administração, António Saize o Administrador-Delegado e tinha como Administradores Cláudio Chiche, Arlindo Mondlane, Madalena Atanásio, Albino Lemos e Cândido Gobo -, foram os termos de vários contratos com fornecedores que lesaram significativamente as empresas que devem 7,6 biliões de meticais a diferentes fornecedores nacionais e estrangeiros.

O @Verdade apurou que a Administração que está a liderar a fusão, presidida por Mahomed Rafique Jusob co-adjuvado por Mário Luís Albino e Binda Celestino Augusto Jocker, tem estado a enfrentar muita pressão de antigos gestores que viram os seus negócios “secarem”.

As dívidas com a banca o @Verdade sabe que estão a ser reestruturadas contudo os passivos tóxicos não deverão transitar para a nova empresa de telecomunicação móvel digital, que até já tem nome, e que nos próximos meses irá nascer.

Aliás mais do que sanearem as contas o trio gestores, ao qual se juntou recentemente um “poker” de directores executivos - Juvêncio Pedro Maenzana no cargo de director de operações, Márcia Wiehle Fenita na função de directora comercial, Arlindo Zefanias Dava como director de Finanças e Augusto Magobeia Jacinto Fé no cargo de director de Pessoal e Serviços Corporativos - trabalham na estruturação da nova empresa que se pretende devidamente enquadrada no mundo digital onde o negócio deixaram de ser as chamadas de voz e mensagens de texto tradicionais e passaram a ser os serviços Over The Top e Streamings.

É do conhecimento do @Verdade que em empresas, particularmente na Mcel, onde a amizade, o tráfico de influência e mesmo a corrupção imperavam na contratação, pela primeira vez o processo de selecção dos quatro directores executivos aconteceu de forma aberta, transparente e com um painel de eminentes personalidades, externas às estatais, que apreciaram todas as candidaturas.

Fonte contactada pelo @Verdade, com conhecimento da fusão, revelou que a privatização não é solução contudo, numa etapa posterior, não está descartada a entrada de um forte parceiro estratégico que poderá ser estrangeiro.

Comentários   

 
0 #1 Lionel 14-07-2018 02:03
Now comes the device of probability, which supposes to become much more complicated than Martingale system.

Now if you want to win real money so you don't wish to download you
need to first look for land based bingo hall without any near your
place a person always has the world wide web facility to take care of the bingo gaming experience.

Few companies maintain it well within USD$100 even though the limit may vary for others as worst part is when you've got were
able to hit the bull's eyes of a jackpot that's of the good
amount but while playing within the group of "no deposit casino bonus", you will not
be entitled to the complete winning amount nevertheless,
you are able to enjoy merely a percentage of it.


My blog post :: 온라인카지노: https://thekingcasinos.com/onlinecasino
Citar
 

Comentar


Código de segurança
Atualizar

Actualizado em Quinta, 15 Março 2018 08:51
 
Avaliação: / 2
FracoBom