Governo de Nyusi alheio a crise porque “sacou” biliões do Orçamento do Estado que usa sem controle do TA e do Parlamento
Tema de Fundo - Tema de Fundo
Escrito por Adérito Caldeira  
Sexta, 20 Abril 2018 08:10
Share/Save/Bookmark

A crise económica e financeira que não pára de esmifrar o povo moçambicano nunca chegou aos dirigentes Superiores de Estado e titulares de Cargos Governativos em Moçambique. Para além dos salários com regalias que não são públicas, dos carros luxo, helicópteros e jatinho pagos com dinheiro do Orçamento do Estado têm a sua disposição biliões de meticais, drenados pelo Governo de Filipe Nyusi antes da suspensão do apoio do Fundo Monetário Internacional, que usam sem a aprovação da Assembleia da República e fora do controle do Tribunal Administrativo.

O Instituto Nacional de Gestão de Calamidades ainda precisa de 636 milhões de meticais para Plano de Contingências da época chuvosa, o Ministério da Agricultura e Segurança Alimentar não tem 46 milhões de meticais para contenção da praga que afecta o milho, não há dinheiro para pagar o subsídio de pobreza, não há dinheiro para construir escolas e tirar todos meninos do chão, a Autoridade Tributária não reembolsa o IVA que deve as empresas, não há fundos para o combate à corrupção, o Presidente Filipe Nyusi admitiu que faltou dinheiro para medicamentos, enfim a crise parece ter tornado Moçambique mais pobre do que já era antes da descoberta das dívidas ilegais!

Contudo dinheiro não falta para os salários com subsídios infindáveis e regalias para os dirigentes Superiores de Estado, nem faltam fundos para novas viaturas de luxo para os titulares de Cargos Governativos ou para um novo jatinho de luxo para o Chefe de Estado.

No entanto o @Verdade descobriu que para além dessas mordomias, pagas com fundos do Orçamento do Estado aprovado pela Assembleia da República, o Governo de Filipe Jacinto Nyusi conseguiu acumular mais de 73 biliões de meticais em saldos de caixa durante o ano de 2016 e que o tem gasto a seu bel-prazer, quiçá também na logística dos eventos do partido Frelimo que se repetem durante as visitas presidenciais.

“Para o ano de 2015, transitou o saldo de 71.521.888 mil meticais e o final foi de 46.438.000 mil meticais, valor com que se abriu o ano de 2016, que equivale a 23,2 por cento das despesas totais do exercício. O saldo final de 2016 foi de 73.307.340 mil meticais, significando um aumento em relação ao ano anterior e equivalendo a 33,2 por cento das despesas”, constatou o Tribunal Administrativo (TA) no seu Relatório e Parecer sobre a Conta Geral do Estado de 2016.

Relatório do Tribunal Administrativo sobre CGE 2016

Questionado pelo TA, “em sede do pedido de esclarecimento, o Executivo não teceu qualquer comentário sobre os motivos que ditaram o incremento daquele saldo”.

Governo de Nyusi conseguiu drenar mais dinheiro do OE que Guebuza

Mais grave é que do saldo em caixa a 31 de Dezembro de 2016, pouco mais de 54 biliões de meticais, é dinheiro que não estava sequer na Conta Única do Tesouro, como manda a lei, mas em contas de bancos comerciais tituladas por “Outras Instituições do Estado” que nem ao Tribunal Administrativo o Governo de Nyusi informa.

Diante do silencio do Ministério da Economia e Finanças o tribunal que fiscaliza as contas do Estado, para aferir a fiabilidade do valor agregado de “Outras Instituições do Estado”, foi verificar as receitas e despesas de tais instituições autónomas, que seriam os Fundos e Instituto Públicos, Autarquias e Empresas Públicas, mas ainda assim detectou “inconsistência” nos montantes reportados pelo Governo.

Aliás tal como já acontecera para rubricas similares durante o exercícios de 2015 e o Tribunal Administrativo concluiu que a informação prestada pelo Governo de Nyusi não era verdadeira.

“O Executivo não se pronunciou em relação aos montantes avultados que permanecem nas “Outras Contas do Estado” e “Outras Contas do Tesouro” respectivamente, que no seu conjunto correspondem a cerca de metade dos saldos”, lamenta o TA no seu Relatório e Parecer sobre a Conta Geral do Estado de 2016.

Relatório do Tribunal Administrativo sobre CGE 2016

Importa notar que o montante acumulado pelo Governo de Filipe Nyusi fora do controle da Assembleia da República e do Tribunal Administrativo, mais de 73 biliões de meticais, supera o montante acumulado em caixa pelo Executivo de Armando Guebuza, 71 biliões de meticais, ainda nos tempos do crescimento pujante da economia.

Para ter uma outra dimensão deste montante que o Executivo de Nyusi gere à margem do Orçamento do Estado seria suficiente para amortizar mais de metade da Dívida Pública Interna, que está cifrada em 107 biliões de meticais.

Comentar


Código de segurança
Atualizar

Actualizado em Sexta, 20 Abril 2018 09:14
 
Avaliação: / 1
FracoBom