Dívida Pública Interna atinge novo máximo 107 biliões de meticais, porém metade é consolidação de dívidas antigas do Estado
Tema de Fundo - Tema de Fundo
Escrito por Adérito Caldeira  
Quinta, 25 Outubro 2018 07:56
Share/Save/Bookmark

O Governador do Banco de Moçambique assinalou, novamente, que “o endividamento público interno continua elevado”, ultrapassou os 107 biliões de meticais em Outubro de 2018. Porém o ministro da Economia Finanças explicou ao @Verdade que só cerca de metade são novas dívidas, o resto é a Consolidação Fiscal, “estamos a trazer para as contas todas dívidas que o Estado tinha com a sociedade”.

“O endividamento público interno continua elevado, subiu mais um pouco quase 2 biliões desde a última vez que estivemos aqui (CPMO) e corresponde a 12,3 por cento (do Produto Interno Bruto). Ela já é elevada e continua a crescer, é uma dívida onde não estão todos factores”, assinalou Rogério Zandamela na conferência de imprensa que se seguiu a 5ª sessão do Comité de Política Monetária do Banco de Moçambique, realizada na segunda-feira (22).

São 107,4 biliões de meticais dentre os quais 40,5 biliões são adiantamentos que o Governo foi buscar ao banco central até Março último, 45,7 biliões são Obrigações do Tesouro emitidas através da Bolsa de Valores e 166,2 correspondem a Bilhetes do Tesouro, cuja utilização tem vindo a reduzir desde Setembro passado.

Contudo o ministro da Economia e Finanças explicou, durante um encontro que há algumas semanas teve com jornalistas em Maputo, que: “Esta ideia que o Estado está constantemente a ir buscar financiamento no banco central não é real”.

Adriano Maleiane disse que “o saldo primário está sempre bem controlado”, era de -3,3 por cento do Produto Interno Bruto(PIB) em 2016, cresceu para -1,2 por cento em 2017 e este ano deverá cifrar-se em 0,5 por cento do PIB. Paralelamente “o Crédito Líquido ao Governo, que é quanto vamos buscar ao sistema financeiro, está em níveis baixos”, clarificou o governante mostrando dados que indicam que Crédito Líquido ao Governo que tinha sido de 2 por cento do PIB em 2016 reduziu para – 1 por cento em 2017 e deverá atingir 0,9 por cento do PIB em 2018.

Apresentação do Ministério da Economia e Finanças

Só metade da Dívida Pública Interna é novo endividamento, restante é consolidação de dívidas antigas do Estado

De acordo com os dados apresentados pelo titular da Economia e Finanças as Receitas Correntes continuam a ser superiores às Despesas Correntes. Em 2016 a Receitas foram de 166 biliões de meticais e as Despesas 142 biliões, em 2017 subiram para 186 biliões de meticais contra 156 biliões de Despesas, e este ano as Receitas devem ficar-se pelos 223 biliões de meticais e as Despesas nos 184 biliões. “Sobra sempre algum dinheiro, em média 30 a 40 (biliões de meticais)”, indicou Maleiane que declarou ainda que o Governo não se está a endividar todos os meses para pagar salários dos funcionários públicos.

Apresentação do Ministério da Economia e Finanças

“O que está a acontecer é que todos, incluindo a imprensa e o banco central também, olham para a dívida total que está a subir então surge o sentido de desespero. Na verdade é a Consolidação Fiscal, estamos a trazer para as contas toda esta dívida que o Estado tinha com a sociedade” declarou o ministro Adriano Maleiane.

O governante citou os casos das pagamentos atrasados dos subsídios às gasolineiras, o reembolso do Imposto de Valor Acrescentado às empresas que se acumulou até 2014, empréstimos contraídos com aval do Estado para a construção de edifícios públicos, o pagamento da reestruturação da dívida ilegal da EMATUM, as amortizações realizadas de alguma da dívida ilegal, o colateral que tem sido necessário para a importação de combustíveis líquidos e as dívidas de bens e serviços adquiridos ao sector privados desde 2007 porém não pagos por diversas instituições do Estado.

Apresentação do Ministério da Economia e Finanças

“Então quando trazemos para o Orçamento para ficar mais transparente não é um dinheiro adicional que vamos buscar mas é titularizar” explicou Maleiane que apresentou dados indicando que no início de 2018, quando a Dívida Pública Interna chegou ultrapassou os 100 biliões de meticais apenas correspondia a novo endividamento 54,2 biliões de meticais.

Maleiane refuta crowding out sugerido pelo FMI

Ademais o ministro clarificou que: “Cada vez que há emissão de Bilhetes do Tesouro a percepção que fica, porque aquele que emite não explica, é que o Governo foi de novo buscar mais dinheiro ao sector financeiro. Todo os anos o Governo não esgota os Bilhetes do Tesouro que utiliza e em 2017 o banco central foi buscar muito mais para gerir a Política Monetária. Era necessário baixar a taxa de câmbio então foi lá secar a liquidez, e para tornar os títulos do Tesouro atractivo subiu-se a taxa (de remuneração) e a taxa de juro aumenta e ninguém vai buscar crédito”.

Apresentação do Ministério da Economia e Finanças

“Não é porque o Estado foi buscar dinheiro, o crowding out (como sugeriu o Fundo Monetário Internacional), é porque de facto a taxa de juro foi muito alta porque era o único instrumento, naquele momento, para trazer a inflação e a estabilidade da taxa de câmbio, não podia ser através da Política Fiscal” afirmou Adriano Maleiane enfatizando que “A Política Fiscal foi exactamente não ir buscar dinheiro ao sistema financeiro”.

Comentar


Código de segurança
Atualizar

Actualizado em Quinta, 25 Outubro 2018 09:02
 
Avaliação: / 2
FracoBom