“Mambas” dão trambolhão no ranking da FIFA devido as vitórias morais de Abel Xavier
Tema de Fundo - Tema de Fundo
Escrito por Adérito Caldeira  
Sexta, 26 Outubro 2018 08:07
Share/Save/Bookmark

Eliseu PatifeMoçambique está em destaque no futebol mundial esta semana graças as vitórias morais da selecção comandada por Abel Xavier que registou a pior queda do mês no ranking composto por 211 países. Somando menos 24 pontos os “Mambas” caíram para a posição 122, a pior classificação desde 2006... e o seleccionador ainda não se demitiu, nem foi demitido!

O corolário dos alegados dois melhores jogos da principal equipa de futebol de Moçambique, na auto avaliação do treinador Abel Xavier, mas que resultaram em vergonhosas derrotas diante da Namíbia, primeiro em Maputo e depois em Windhoek, é o pior registo do ranking da FIFA no mês de Outubro para os “Mambas”: foi uma das selecções que perdeu mais pontos, a par da República Democrática do Congo, e a que registou a pior queda posicional dentre as 211 inscritas.

Com a perda de 24 pontos os “Mambas” caíram da posição 113, em Setembro, para o lugar 122 na actualização feita esta quinta-feira (25), pelo organismo que rege o futebol mundial.

“É inquestionável, é um facto, o jogo jogado não falou verdade ontem. Em todos os jogos deste grupo Moçambique tem marcado, e todos os jogos, coisa que não acontecia há muitos anos. Em todos os jogos Moçambique tem sido determinante, dominante em vários momentos do jogo, em termos do jogo de ontem foi a maioria do tempo. Portanto eu estou extremamente orgulhoso do rendimento da estrutura, de todos os jogadores da minha equipa” auto avaliou-se o seleccionador que atribuiu as derrotas, e o empate com a Guiné-Bissau em Maputo, ao mau trabalho das equipas da arbitragem e a uma alegada cabala do continenten contra o sucesso dos “Mambas”.

O facto é que esta é a pior classificação de Moçambique no ranking da FIFA desde 2006. Na altura a selecção era comandada por Artur Semedo que devido a desastrosa qualificação para o Campeonato Africano das Nações (CAN) de 2008 arrastou os “Mambas” até a posição 134.

Faizal Sidat, o então presidente da Federação, não renovou o contrato do moçambicano e em Fevereiro de 2007 entregou o comando ao holandês Mart Nooij que conduziu a selecção para uma das melhores classificações de sempre, o lugar 72 alcançado em 2009.

“Eu demitir-me? Não”

Eliseu PatifeQuando o inexperiente treinador luso-moçambicano assumiu o comando os “Mambas” ocupavam o 107º lugar e disputavam as qualificações para o CAN de 2017 e o Mundial de 2018, que acabaram em fracassos.

Após uma inglória participação na Taça COSAFA de 2016, ironicamente com uma vergonhosa derrota para a Namíbia, a selecção de Moçambique só conseguiu dar um pontapé à crise de maus resultados em Junho de 2017, quando em pleno estádio Levy Mwanawasa derrotou a Zâmbia.

A auto-estima dos moçambicanos inflamou, a selecção ascendeu ao top 100, na posição 97, mas a fraqueza do futebol moçambicano acabou por vir à tona. Primeiro com um empate amargo com a Guiné-Bissau no estádio nacional do Zimpeto seguido por uma surpreendente derrota diante dos namibianos.

A precisar de quase um milagre para apurar-se para o Campeonato Africano das Nações de 2019 a selecção de Moçambique conseguiu a proeza de tornar-se a pior classificada no ranking da FIFA dentre as participantes do Grupo K e ainda amarga a posição 31 entre as 54 equipas africanas.

Serve de alguma consolação o facto de Moçambique não ser a pior das selecções dos PALOPS, apenas atrás de Cabo Verde e da Guiné-Bissau, a selecção de Angola amarga o lugar 130 enquanto São Tomé e Príncipe está no 187º.

“Eu demitir-me? Não. Eu estou ciente que haja descontentamento a minha figura, eu sou uma parte, uma parcela de muita coisa como estrutura(...) A questão da vitória e da derrota, em qualquer parte do mundo, um treinador quando perde as pessoas não querem perceber porque perdeu” declarou Abel Xavier na auto avaliação que fez em conferencia de imprensa após as duas derrotas dos “Mambas”.

Madagáscar no top 100

A Tunísia continua a liderar o ranking nível do continente Africano seguida pelas selecções do Senegal, Nigéria, República Democrática do Congo, Marrocos, Camarões, Gana, Burquina Faso, Egipto e Costa do Marfim. Madagáscar, que no início deste mês classificou-se para o seu primeiro CAN, entrou no top 100 pela primeira vez.

A nível mundial, a Bélgica assumiu a liderança do ranking com um ponto de vantagem sobre a França, depois da inédita liderança partilhada, em Setembro. Brasil, Croácia, Inglaterra, Uruguai, Portugal, Suíça, Espanha e Dinamarca ocupam os outros lugares do top 10.

Gibraltar, que só se tornou membro da FIFA em 2016, subiu oito posições e chegou ao 190º lugar, a sua melhor classificação até agora.

Comentar


Código de segurança
Atualizar

Actualizado em Sábado, 27 Outubro 2018 07:47
 
Avaliação: / 4
FracoBom