SELO: Critérios para a escolha dos padrinhos - Por Euclides Da Flora
Vozes - @Hora da Verdade
Escrito por Redação  
Terça, 22 Setembro 2015 07:35
Share/Save/Bookmark

A moral nasce com a existência do homem, pois, historicamente, não se conhece nenhum povo, por mais selvagem ou primitivo que seja, que não tivesse normas, rituais ou regras de conduta.

A filosofia moral estuda o comportamento dos indivíduos, as regras morais e o carácter. A ética é uma análise das regras morais. A consciência moral permite-nos distinguir o bem do mal.

A moral é um conjunto de regras, valores, proibições, tabus, procedentes do homem, isto é, eles são impostos pela política, pelos costumes sociais e pela religião, bem como pelas ideologias de uma sociedade.

Hoje em dia, nas cerimónias como casamentos, nas festas, nos noivados, nos baptizados, entre outros eventos, é visível a presença dos padrinhos escoltando os seus afilhados mas, obviamente, não é visível o critério anti-moral da escolha dos padrinhos.

Nos dias de hoje, já não se observam os critérios éticos e morais para a escolha dos padrinhos, mas, sim, somente os critérios materiais é que ditam a sua escolha. Devido ao desabamento dos valores éticos e morais, os mesmos foram barbaramente substituídos pelos valores materiais no que tange ao critério da escolha dos padrinhos.

Devido à ambição de alguns afilhados, existem padrinhos com centenas de afilhados nas costas por “nenecar” (levar ao colo) e que, devido à sua condição económica estável, são obrigados a apadrinhar afilhados por temerem “represálias” sustentadas por mitos. Estes são irrefutáveis aos olhos de algumas pessoas. Por isso, eles não rejeitam os constantes pedidos de apadrinhamento por temerem castigos dos “deuses”.

Os indivíduos, antes da escolha de padrinhos, olham para a condição económica das pessoas visadas. Olham para os bens materiais da “vítima”, se são ou compatíveis com os seus interesses financeiros. Os padrinhos, além de auxiliarem os afilhados durante as cerimónias em que estão envolvidos, costumam ajudar nas despesas das festas para não “saírem mal na fotografia”.

Os valores éticos e morais são dispensados no acto da escolha dos padrinhos. Porque será que isso acontece? Será que os padrinhos são fonte de ajuda financeira para os afilhados? Haja moral no acto da escolha dos padrinhos. Os bens materiais não devem ser vitais para a escolha dos mesmos.

Por Euclides Da Flora

Comentar


Código de segurança
Atualizar

 
Avaliação: / 0
FracoBom