SELO: Sinistralidade rodoviária? É sinónimo de DESPREZO sobre apropriada capacitação profissional! - Por Carlos Sousa
Vozes - @Hora da Verdade
Escrito por Redação  
Segunda, 02 Outubro 2017 22:13
Share/Save/Bookmark

O presente ambiente rodoviário, solicita-me este apontamento: Não tenho a mínima dúvida em afirmar e alertar que em Moçambique há um exagerado desprezo pela formação e capacitação profissional. O ALERTA é dedicado ao incorrecto uso e manutenção de veículos rodoviários e associados procedimentos, falta de respeito humanitário e pelo Ambiente, face ao necessário ajustado, indispensável e inovador, sabermos usar e aplicarmo-nos em modo preventivo.

Temos nas estradas, um intensivo RISCO, agravado pelo impróprio desafio ao guiarmos máquinas e equipamentos, em lugar de respeitarmos os actos preventivos!

E porquê o alerta?

Devido à séria relação directa com os incidentes, ACIDENTES e fortes prejuízos como ALTAS consequências dos Impactos e SINISTROS, sofrimento, custos, despesas, tempos mal aplicados, desvios a todos os orçamentos, planos de investimento, projectos em causa e etc.

Constitui minha intenção, distinguir a elegermos o bom senso para nos dedicarmos a rever e actualizarmos os mais elementares pilares facilitadores do conhecimento e aplicativos básicos orientados ao melhor uso e manutenção dos veículos automóveis e outros equipamentos de mobilidade, dentro e ou fora da estrada.

A manter-se o presente cenário em geral, certamente se configuram progressivos aumentos infelizmente sim, na SINISTRALIDADE rodoviária, frequentes acidentes em obras e sérias consequências relacionadas com sofrimentos nas famílias, postos de trabalho em causa, Avultados prejuízos na economia, orçamentos forçados a desvios de correcção, somatório nas indisponibilidades dos capitais humano e da indisponibilidade dos Equipamentos, somatório de resultados afectados e projecções negativas.

O fundamento do problema, não se encontra na falta de sinalização ou em más estradas, roda exactamente, na ausência e desprezo pelos valores profissionais dos métodos preventivos, ignorados e ou desprezados de raiz , quer no ensino dedicado, secundário, universitário ou educação profissional.

Vejamos:

Quando se adquire uma máquina nova, exigimos e muitíssimo bem, o fornecimento de, instruções de uso, operação, manutenção, ferramentas, acessórios, manuais software e hardware, garantias , seguros e etc. Até aqui, estamos todos alinhados.

Ora, o ponto crítico começa a partir deste momento. Colocam-se equipamentos a custos de dezenas, centenas de milhares de dólares, se não milhões, ao desafio profissional, em mãos de condutores, operadores e mecânicos ou outros técnicos.

No entanto, em pesada maioria nunca foram capacitados em actualização em modo regular, e se alguma vez receberam instrução, os ultrapassados conteúdos os mergulha em constantes riscos por ignorância obrigados a desvios por falta de actualização e nem tão pouco são orientados pelas chefias ao básico hábito de lerem e consultarem com a frequência necessária, os manuais de uso e manutenção, de dever encontrarem-se a bordo dos automóveis, camiões, autocarros, demais equipamentos de movimentação em obras , sendo lógico, tais ferramentas úteis, satisfazerem o dever de estarem disponíveis na língua de trabalho.

Não se pretende focar a baixa qualidade na triste imagem do serviço em venda, mas sim, a ignorância que a maioria partilha, com desprezo por questões fundamentais produzimos sérios impactos para a segurança rodoviária e ou uso de Equipamentos dentro e ou fora de estrada, claramente por ausência de conhecimento e nomeadamente desprezo pela regular satisfação dos valores actualizados por Formação e Capacitação especializados e apropriados!

Se avaliarmos, tantos milhões de cidadãos envolvidos nesta relação de mau uso dos veículos por ignorância dos profissionais na condução e sobretudo pelo desleixo sobre os básicos valores de e para segurança rodoviária, frequentemente em desafio pela incapacidade e desactualização nas prestações pelos serviços de ensino, educação, manutenção e reparação, constantemente desafiando actos e actores em risco.

Com uma triste nota de ALERTA dedicada também aos muito sérios desvios verificados a olhos vistos pela péssima qualidade dos serviços de inspecção IPO dos automóveis e mal muito assim das acções longe do essencial actual sobre métodos apropriados à prevenção rodoviária, supostamente em vigor activo e não aplicadas nas escolas de aprendizagem para a condução e muito pior assim, por mal praticadas pelas autoridades em fiscalização nas estradas.

Nunca entendi, porque motivo, muitas chefias ao entregarem uma máquina aos operadores ou condutores, retiram imediatamente de bordo o precioso livrinho, o tal que pode ajudar a salvar muitas vidas.

Certos nomeados chefes, amontoam-nos nos gabinetes, nunca os consultam e chamam os prestadores de serviços para na maioria das vezes dar um esclarecimento que já deveria ter sido resolvido pelo operador na consulta directa ao manual, cujo objecto do fabricante, em custo e facilitar informação, o livro deve estar disponível na maquina para consulta e leitura pelo uso e manutenção.

Uns ditos e pressupostos chefes, alegam e transbordam de ignorância, afirmando que o livro MANUAL de nada serve, porque se apresenta em Inglês e o condutor não entende!

Lamentamos tal péssima atitude, desde logo, pela falta de respeito para com ele próprio, o chefe! Manuais editados e disponíveis em expressão portuguesa existem emitidos e dedicados para satisfazer todas as maquinas e automóveis no Mundo!

Já agora questiono o leitor desta mensagem: alguma vez leu e consultou o manual de uso e manutenção da viatura que utiliza, mas afirma saber conduzir ou reparar!? fica o ALERTA, como mais um remédio PREVENTIVO, sempre a tempo! Saudações de apreço e respeito profissional.

Por Carlos Sousa

Engenheiro, consultor, perito e formador especialista em automóveis

Comentar


Código de segurança
Atualizar

 
Avaliação: / 0
FracoBom