SELO: sujeira no Censo da Pesca Artesanal 2012 - Por trabalhadores do IDPPE
Escrito por Redação   
Sexta, 05 Junho 2015 08:27

Senhor ministro do Mar, Águas Interiores e Pescas,

Excelência

Na sequência da nota de pedido de esclarecimento sobre o caso “Censo da Pesca Artesanal 2012”, endereçada a V. Excia, referente às nossas denúncias publicadas no Jornal @Verdade, na sua edição de 30/04/2015 e 04/05/2015, temos a relatar que o chefe dos Recursos Humanos, na companhia dos seus comparsas (chefe da UGEA e Estatísticas Informática), mais uma vez sob o comando do respectivo director, marcou uma reunião na qual tentou coagir e ameaçar todos os funcionários com vista a assinarem uma lista em que constam os seus nomes.

 
SELO: O país uno e indivisível - Por Jorge Valente
Escrito por Redação   
Quarta, 27 Maio 2015 08:16

Os argumentos populistas, caducos e extemporâneos sobre a Unidade Nacional e indivisibilidade do país, propalados pela Frelimo e pelos seus dirigentes são uma farsa e podem constituir um crime contra a humanidade visto que desde o tempo colonial a etnia changana é dona de todas as oportunidades que se criam neste país e beneficiária de todas as facilidades que o tempo construiu e constrói. O país encontra-se dividido desde a independência, a partir do rio Save, em que o centro e o norte são regiões vassalas dos changanas.

 
SELO: Carta Denúncia - por Funcionários indignados
Escrito por Redação   
Quinta, 21 Maio 2015 08:08

Excelentíssimo Senhor

Ministro da Indústria e Comércio de Moçambique

Um grupo de funcionários do Instituto para a Promoção de Exportações, inconformados com a arrogância, atrocidades e cultura de ilegalidades que caracteriza a Direcção desta instituição há anos, decidiu, acreditando que V.Excia pode pôr o fim deste clima com vista ao cumprimento do mandato atribuído ao IPEX, fazer a seguinte denúncia:

Actualizado em Quinta, 21 Maio 2015 08:22
 
SELO: Tornei-me anónimo
Escrito por Redação   
Quarta, 20 Maio 2015 08:14

Nasci numa família de classe social baixa, nos arredores da periferia de Maputo. Sou da terra que viu nascer Mondlane, Samora, Chissano, Guebuza e, posteriormente, Nyusi. Continuo perplexo se é a mesma donde descende Simango, Matsangaiça, entre outros e, mais tarde, Dhlakama.

Fui sempre submisso aos superiores, seja na família, escola, igreja e nas diversas esferas da sociedade.

 
Início Anterior 91 92 93 94 95 96 97 98 99 100 Seguinte Final

Pág. 97 de 114